Alimentos não queimam gordura, mas podem acelerar o metabolismo

Reading time: less than 1 minute

Alimentação Saudável

 

A nutricionista Fernanda Timerman, do Hospital das Clínicas e do Grupo Especializado em Nutrição e Transtornos Alimentares (Genta), tirou mais dúvidas sobre dietas.

Dor de cabeça, tontura, fraqueza, pensamentos fixos e hálito com cheiro de acetona podem ser sinais de uma dieta radical. A recomendação da especialista é fracionar alimentação e comer pouco de cada vez para manter o metabolismo acelerado.

VEJA TAMBÉM

Como e para que
tomar colágeno

Consumir mais frutas, legumes, verduras e tomar mais água é o ideal. Quem não gosta de fruta pode tomar suco, a salada pode ser incrementada e ficar mais atrativa. Misturar com vinagre, limão ou shoyu também pode ser uma opção.

Palitinhos de cenoura, pepino ou erva-doce, lanches frios com queijo ou peito de peru e iogurte são boas alternativas para comer entre as refeições. Segundo Fernanda, o café da manhã é fundamental porque o jejum da noite já é prolongado. Se ele não for incluído na alimentação, a fome tende a ser muito grande na hora do almoço.

A especialista comentou também sobre a chamada dieta do tipo sanguíneo – ainda não há estudos que comprovem a eficácia dela -, e sobre tomar azeite extra-virgem e água com berinjela na tentativa de emagrecer.

De acordo com a nutricionista, alimentos não queimam gordura, mas podem ajudar na digestão e acelerar o processo de metabolismo. No dia a dia, é possível comer doces, que estão no topo da pirâmide alimentar, desde que nas porções certas. Juliana ressaltou que qualquer alimento ingerido além do limite pode engordar, não apenas os doces.

Comer menos à noite é melhor se a pessoa for dormir logo. Mas quem trabalha, estuda ou pratica atividade física nesse período pode se alimentar melhor, pois precisa de energia.

Por fim, a especialista disse que sopas prontas têm excesso de sal e que não se deve fazer dieta para emagrecimento durante a gestação, apenas controle de ganho de peso. Após a amamentação, a reeducação alimentar pode ser mais intensa.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *